Viciadas em Séries #17 – Grey’s Anatomy

greys-anatomy-15007-1920x1200A novela série mexicana americana que conta a vida de residentes em um hospital de Seattle. Acompanhei Grey’s Anatomy na sua estreia, porém, pouco tempo depois deixei de lado e parei de assistir. Depois de algum tempo, revi alguns episódios, mas mesmo assim não persisti em assistir a série. E agora, depois que um amigo comentou que estava assistindo eu decidi rever todos os episódios novamente e tentar acompanhar a série.

A história de Grey’s Anatomy gira em torno de Meredith Grey. O nome da série faz referência á um famoso livro de anatomia de Hanry Gray, que foi alterado para Grey’s fazendo referência ao sobrenome de Meredith.

Meredith acaba de entrar para ser estagiária em um dos melhores hospitais de Seattle, e, por ser filha de Ellis Grey (umas das primeiras cirurgiãs e muito consagrada), é uma interna bem famosa. Lá, conhece Christina Yang, George O’Malley, Alex Karev e Izzie Stevens, que serão seus companheiros e melhores amigos.  Basicamente a história gira em torno desses personagens, além de Miranda Bailey (a nazista), Preston Burke, Derek Shepeherd (McDream) e Richard Webber. Bom, aos poucos, alguns atores saem e outros entram, muitas vezes por brigas entre eles, ou não possuir afinidades com a direção. Os persistentes (na atual temporada) são Meredith, obviamente pois é a principal, além de Christina, Alex, Bailey, Webber  e Dereck.

Sabe novela mexicana, Grey’s Anatomy é mais ou menos assim. A série explora o lado mais dramático possível. Ela mescla um caso do hospital com um caso pessoal, que alguns dos personagens estejam vivenciando. Sempre há algum problema, seja ele o menor possível. Ao mesmo tempo, acho bem surpreendente nos casos, a maioria deles muito reais. Todas as cenas não parecem fictícias, parece que realmente você está dentro de uma sala de cirurgia, e consegue-se sentir todas as emoções daquele momento. Realmente é uma série bem melodramática, onde os dramas pessoais superam os dramas profissionais.

Além das ótimas cenas cirúrgicas, a série também tem uma das melhores a melhor trilha sonoras que já ouvi/vi. Cada música parece que foi criada para cada momento, e realmente consegue transmitir algo a mais para a história. Além do que, muitas bandas e artistas se consagraram ao ter uma música exibida na série.

Estava em busca de uma série que me cativasse, pois depois de assistir HIMYM, não via mais graça em nenhuma série. Grey’s Anatomy conseguiu me fazer parar na frente do computador e assisti-la. Querer assistir um episódio atrás do outro, conseguir me fazer rir e quase chorar algumas boas vezes, conseguir me fazer parar para pensar outras tantas não é tão fácil. Por isso Grey’s Anatomy merece destaque. 

Bom, recomendo à série para você que gosta de histórias bem açucaradas, melodramáticas, que gosta de explorar emoções, ou que queira saber mais do lado da medicina, sei lá, talvez absorva alguma coisa.

3,5

Viciadas em Séries #8: The Closer

the closer

Brenda Leigh Johnson é a nova Delegada Chefe de Polícia de Los Angeles, e acaba de se mudar de Atlanta. Brenda fica encarregada de comandar a Divisão de Homicídios Prioritários da L.A.P.D. Em sua jornada, além de resolver crimes graves, por ser “de fora”, terá de conquistar o respeito de seu esquadrão. Brenda não se satisfaz com acordos, e busca sempre justiça às suas vítimas, conseguindo uma confissão dos acusados, sua especialidade.

Esse Viciada em Séries, por si só, já é um pouco diferente. Isso porque, The Closer, que chegou ao Brasil sob o título de Divisão Criminal, já acabou. No entanto, é uma série tão boa, minha favorita, que até hoje continuo assistindo, literalmente, e precisava dividir isso aqui com vocês.

Creio que o grande diferencial dessa série, para mim, está em três fatores. Primeiramente, a Brenda, que com seu jeito impetuoso sempre busca justiça a qualquer preço; segundo, a construção das personagens, todos são muito bem construídos e passam a ser fundamentais na história; e terceiro, a narração. A narração desse seriado é algo que, novamente, na minha opinião, é um pouco incomum em séries policiais.  Isso porque, raramente, a própria “Delegada” fica sabendo mais pistas que o telespectador. A maneira como se dá o desfecho dos episódios é realmente impressionante. Muitas vezes, tenho a impressão de saber o mesmo tanto que os detetives.

Disse aí em cima que o primeiro diferencial é a personagem principal. Com certeza, o que Brenda faz para conseguir uma confissão é um chamariz de audiência. Além disso, ela não teme chegar até as últimas consequências. Sua construção irônica e sarcástica, junto com seu jeito de durão de comandar seu subordinados, além de ser a “filhinha dos papais” dão toda uma essência à personagem. É aquela personagem que você está resoluto que criou asas e voou sozinha; que possui seu próprio temperamento e vontades. Tal é interpretada pela ótima Kira Sedgwick, que por curiosidade, é casada com o ator Kevin Bacon.

The Closer teve sete temporadas e deu origem á uma spin-off, intitulada Major Crimes, que abordarei em uma outra oportunidade.

5

Filme: Menina de Ouro (2004)

As pessoas adoram violência. Diminuem a marcha perto de um acidente para ver se há corpos. As mesmas pessoas dizem que amam o boxe.Nem imaginam o que é isso. Boxe é respeito. Conquistá-lo para si e tomá-lo do outro.

amdo

Lembro de ter visto esse filme em VHS (os menores não devem saber o que é isso), porém, só lembrava da parte mais triste da história, senti vontade de revê-lo essa semana. Eu, particularmente, me decepciono com muitos filmes indicados e ganhadores do Oscar. Às vezes, crio uma expectativa muito maior, e aí vem a decepção, não foi o caso milagre. Lembro a repercussão que ele rendeu, foi indicado em sete categorias, sendo premiado em quatro deles.

Ele que deixou a Hilary Swank bem conhecida, com o prêmio de melhor atriz. A história conta o sonho de Maggie Fitzgerald (Hilary Swank), que sonha em ser lutadora de boxe. Decidi entrar  na academia de Frankie (Clint Eastwood), treinador muito renomado com boxeadores. Porém, Frankie é um velho amargo que não quer treinar mulheres. Com muita insistência e persistência e com ajuda de Scrap (Morgan Freeman) Maggie convence em Frankie ser seu treinador. Com seu esforço, apesar de não ter mais idade, Maggie consegue evoluir em suas lutas. Parei a sinopse por aqui, senão vai ser spoiler. 

Gente, é o único trailer e a qualidade é ruim, considerem que o filme é de 2004

Nesse filme dá pra perceber que não precisa criar tantos personagens para render uma boa história, A história roda em basicamente três personagens e não desvia do assunto. Não há apelações (à não ser o drama), não há relacionamento amoroso, nem personagens engraçados, ou bonitos, muito menos carismáticos. Porém, consegue ser uma história muito boa. Ok, há um belo drama, principalmente no final, mas acho que isso que o autor quis transmitir.

Eu realmente me “encantei” com o filme, por ter personagens bem formulados, um tema bem definido (no caso é o boxe) e ser bem focado. Ele consegue passar muitas sensações e a história é muito bem conduzida. E, sim, eu gostei do fim. Tudo não é perfeito. Eu aposto que você vai chorar.

5

Viciadas por Séries #1: Bones

BONES

A  Dra. Temperance “Bones” Brennan é uma das mais conceituadas Antropologistas Forenses dos Estados Unidos e, em conjunto com a sua equipe de cientistas do Instituto Jeffersonian, auxilia o FBI na investigação de casos envolvendo restos mortais. Designado para tais casos, enquanto o Agente Especial Seeley Booth tem de aprender a lidar com Bones e seu esquadrão de “squints”, Temperance começa a rever sua forma de interpretar e tratar as pessoas, pois é possuidora de uma grande incapacidade social. Os motivos e razões de tal incapacidade são revelados com o decorrer da série, sempre deixando um gostinho de quero mais.

Bones era uma das minhas séries preferidas (e continua sendo, confesso!) porém sinto que em alguns momentos deixou a desejar, principalmente com o ritmo do desenrolar da história. Parece que em alguns momentos a “paixão” entre Seeley e Bones perdeu o momento certo, sabe? Se tornando por vezes enrolativa…

No final da Sexta Temporada, Emily Deschanel, a intérprete de Bones, ficou grávida e a história precisou dar uma acelerada triunfal, e mais uma vez sinto  que os roteiristas perderam o ritmo da coisa, porém é compreensível, afinal eles precisavam contornar a situação de algum modo.

Mesmo sendo tão enrolativo, é bonitinho ver a química entre Bones e Booth e até hoje me divirto assistindo.

4